Categoria: ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

A Família e a Escolha Profissional

Texto escrito por Iracema Cerdan Zavaleta Galves

Imagem retirada de: https://images.app.goo.gl/tvmKgBUu6iACNNss8

Os pais, com toda certeza, querem a felicidade de seus filhos. Por isso, no momento da escolha profissional, é normal os pais exporem a sua opinião, darem palpites e até fazerem algumas exigências.

Isso pode ser bom ou não.

Um ponto positivo é que os pais costumam conhecer bem seus filhos e têm certa experiência quanto a escolhas, podendo, então, ajudá-los a vislumbrar o futuro de maneira mais certeira.

Os pais também são pessoas em que gostamos de estar próximos, então, se eles estiverem pesquisando com a gente e nos orientando, muito possivelmente, nos sentiremos mais seguros para tomar uma decisão.

Porém, há pontos negativos quando envolvemos a família na escolha profissional: por exemplo, a maioria dos pais estar desatualizada quanto às novas demandas sociais e às novas profissões que vem surgindo ultimamente.

Outra questão que se deve levar em consideração é que nem sempre os valores que os pais carregam são os valores que os filhos prezam e isso pode trazer um embate na hora de escolher a profissão.

Pois bem, vimos prós e contras da presença da família nesse momento tão importante de nossas vidas. Então, nosso conselho é que, como em tudo na vida, a reflexão e a ponderação devam estar presentes. E, acima de tudo, não se esqueça de que é você que vai viver a sua carreira profissional, você estará dia a dia na rotina que escolher e, por isso, a palavra final, que vai decidir o curso que irá fazer e o rumo que sua vida tomará, deve ser somente sua.

Share

De olho no curso de graduação: ENGENHARIAS

Texto de Iracema Cerdan Zavaleta Galves

O que você leva em consideração ao pensar no seu futuro profissional? Vamos analisar os cursos de Engenharias oferecidos no Brasil com os dados fornecidos pela Revista FAPESP (maio/2015).

tabela engenharia

Veja que interessante: em 14 anos, a oferta dos cursos de Engenharia aumentou mais que quatro vezes, ou seja, há mais oportunidades para fazer um curso atualmente na área. No entanto, dos que entram, um número menor que a quinta parte deles é que se formam.

Aqui, temos que salientar que há diversos cursos de Engenharia e cada um prepara para se trabalhar em uma área determinada, as mais conhecidas são Engenharia Civil, Mecânica, Química ou Elétrica, mas, o Guia do Estudante lista 34 engenharias com cursos de graduação no Brasil. Veja a lista completa aqui.

engenharias

Perguntamos a opinião do Professor Doutor de Engenharia de Produção da Unesp Itapeva, Elí W. Zavaleta Aguilar, sobre o motivo da desistência dos estudantes no decorrer do curso. Ele nos explicou que os alunos que entram neste campus da Unesp (universidade pública) têm certa defasagem e, consequentemente, dificuldade em acompanhar as aulas, que são bastante pesadas. Além disso, alguns estudantes não se adaptam à cidade do interior.

Já o Engenheiro Civil Edivaldo Paulino de Morais*, formado em uma universidade particular, cita três causas para o abandono do curso: 1) deficiência no ensino das matérias da área de exatas do Ensino Médio; 2) custo relativamente elevado dos cursos de engenharias (em média, a mensalidade sai por R$ 1600 e ainda há despesas como xerox; livros; visitas técnicas em obras fora da faculdade, etc.; e 3) o alto grau de dificuldade do curso, o que exige uma maior dedicação por parte do estudante. Sobre esse último item, Edivaldo ainda coloca: “sem falar que algumas faculdades aumentaram as suas médias de 7 para 8 para se adequar às normas do Ministério da Educação e do Conselho Federal de Engenharias e Agronomia (CONFEA). Vale à pena ressaltar os fatores externos como famílias, namorado (a), que cobram o aluno(a) por não ter mais tempo para eles. Além disso, em torno das faculdades proliferam pequenos bares e casas noturnas que contribuem para desconcentrar os alunos”.

E você, qual sua opinião sobre os cursos de Engenharias?

pensamento dificil

* Engenheiro Civil Edivaldo Paulino de Morais – CREA 506.263.959-3 – contatos: (11) 2515-4424 / 99428-9960 / 96135-0904

Share

A importância da orientação profissional na hora de escolher

Texto escrito por Iracema Cerdan Zavaleta Galves

A adolescência é um período difícil na vida do ser humano, pois muitas mudanças estão acontecendo, tanto física quanto psicologicamente. O indivíduo sabe que não é mais uma criança (apesar de que algumas características dessa fase ainda estejam presentes), mas ainda não é um adulto. Nesse período é vivenciada a magia de vir a ser adulto e o luto da perda da infância. Juntamente com estas mudanças há a necessidade da escolha profissional.

Entre os jovens e seus familiares, a escolha profissional é uma grande preocupação. Um dos motivos é o fato de se acreditar que essa escolha deverá permear toda a vida profissional da pessoa. Mesmo depois de ter feito a opção por um curso superior ou tecnológico, muitas vezes a pessoa se depara com a dúvida de estar ou não na carreira certa ou se esta trará a felicidade tão almejada no futuro.

A família, por sua vez, participa dessa decisão e é afetada por ela, direta ou indiretamente, pois pode sofrer com o desgaste que o filho está vivenciando ou com fato de buscarem a própria realização através da escolha desse adolescente. A expectativa demonstrada pelos familiares também pode aumentar a ansiedade do adolescente.

Visando contornar essas dificuldades, a orientação profissional feita por um profissional especializado tende a auxiliar o jovem vestibulando a partir de um plano de análise psicológica e mediante o emprego de recursos e técnicas psicológicas.

Evidentemente, estes encontros não se propõem a dar ao jovem uma solução mágica, mas auxiliá-lo numa busca interna, que lhe traga como resposta uma escolha mais gratificante ou que, ao menos, diminua a ansiedade que envolve a escolha profissional e a cobrança pessoal de alcançar êxito nela.

importancia2

BIBLIOGRAFIA

BOCK, Silvio Duarte. Orientação Profissional: a abordagem sócio-histórica. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

BOHOSLAVSKY, Rodolfo. Orientação Vocacional: estratégia clínica.  11ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LARA, L.D.; ARAÚJO, M.C.S.; LINDNER, V.; SANTOS, V.P.L.S. O adolescente e a escolha profissional: compreendendo o processo de decisão. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v. 9, n.1, jan./abr. 2005, p.57-61.

SANTOS, Larissa Medeiros Marinho dos. O papel da família e dos pares na escolha profissional. Psicologia em Estudo. Maringá. v. 10, n. 1, abr. 2005.

 

Share